Foi na qualidade de líder nacional do PSD que Passos Coelho falou aos jovens, este sábado à tarde, em Vila Real. Pedro despiu a pele de primeiro-ministro para deixar a mensagem de que o futuro do país está nas mãos dos portugueses e também na dos jovens. E deixou um conselho:

«Não acreditem nos determinismos que certa pseudo-elite vai vendendo no país, como se tivéssemos que estar derrotados perante as circunstâncias, a rasto dos acontecimentos e ficássemos esmagados pelos desequilíbrios que se acumularam ao longo de anos».

Recado dado, Passos Coelho afirmou ainda que o tempo que está a ser preparado «não é determinado apenas pelo exterior», mas depende também das «nossas escolhas».

E que escolhas são essas? «Nós podemos escolher e à medida que formos ganhando a confiança daqueles com quem fizemos estes contratos, eles próprios se irão convencendo que nós não precisamos de ser aqui uma espécie de protectorado onde nos dão as ordens e as indicações sobre o que devemos e como devemos fazer».

E para quê? «Não para dar uma satisfação ao exterior mas porque devemos isso a nós próprios».

A lição do líder foi escutada com atenção por uma centena de jotas que participam num curso de formação sobre a ideologia e a estrutura da JSD, segundo a Lusa.
Redação / CF