A tentativa dos partidos da oposição de «transformar as eleições europeias em legislativas» é «um abuso», referiu esta quarta-feira o primeiro-ministro.

José Sócrates rejeita a ideia de que o Governo tenha perdido a legitimidade após a derrota eleitoral de domingo, refere a Lusa.

abstenção elevada nas europeias é «sintoma de desistência» e «empobrecimento da democracia»

O chefe do Executivo rejeitou ainda a ideia de que o Presidente da República tenha defendido, no seu discurso, nas comemorações do dia de Portugal, em Santarém, que o Governo perdeu a legimitidade após o desaire do PS nas europeias.

«O Presidente da República não é o porta-voz da oposição, bem pelo contrário, e ainda por cima no dia 10 de Junho», afirmou.

«Aqueles que querem transformar as europeias em legislativas enganam-se. Nestas eleições não perguntaram aos portugueses acerca do Governo e do futuro, essa pergunta será feita nas próximas eleições legislativas». «Essa pergunta virá e nessa altura ver-se-á o que é que os portugueses querem», acrescentou.

Em relação ao discurso de Cavaco Silva, em que este condenou a forte abstenção e apelou a uma visão «estratégica de médio e longo prazo», «alheia a calendários imediatos» para antecipar o pós-crise, Sócrates considerou que «não era um recado para o Governo».

«O senhor Presidente da República refere-se às tarefas que o país tem pela frente. Todos os órgãos de soberania, todos os que dirigem organizações empresariais têm o dever de dar o exemplo e lutar pelos desafios com que o país está confrontado», defendeu Sócrates.
Redação / CR