O candidato à liderança do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou este domingo que Portugal tem «o primeiro-ministro mais descredibilizado desde o 25 de Abril» e que «já ninguém acredita que este seja um Governo de legislatura».

De acordo com Passos Coelho, o executivo socialista de José Sócrates «está a governar navegando à costa e está com medo de eleições», avança a Lusa.

Essa é a razão pela qual «a maior parte das pessoas está com os olhos no PSD» e a última semana de campanha para as eleições internas deve centrar-se no país e não em questões internas do partido.

Passos Coelho espera que a recta final da campanha seja marcada por «pluralismo, tolerância e respeito uns pelos outros».

«Nós não temos estado a falar do nosso umbigo e eu espero que esta última semana confirme esta tendência e que o país seja o centro das nossas discussões e mensagens políticas e não as questões internas que nada acrescentam à dignificação e à responsabilização que os portugueses esperam ver na política portuguesa», declarou.

O candidato defendeu que «o PSD tem de dar o exemplo, discutindo o país e não andando de dedo acusador uns para os outros» e valorizando os seus militantes.

«Há muitos anos que nos habituamos a tratar os militantes como quem enche autocarros, como meros figurantes da política interna. Se nós não respeitarmos os nossos militantes, não os trouxermos para o debate, não pusermos de lado os preconceitos, estamos a dar um sinal que tratamos o país como os militantes», afirmou.

Passos Coelho declarou não ter pressa de chegar ao Governo nem ter como objectivo derrubar o Governo socialista, porém reforçou a ideia de que «se o Partido Socialista e o engenheiro José Sócrates quiserem deixar o país a apodrecer, nós não andaremos com este Governo às costas».
Redação / VG