«Portugal esteve como todos os outros países que compõem o Eurogrupo com uma posição construtiva procurando que fosse possível ao Governo grego pedir uma extensão não apenas do empréstimo que tem vigorado, mas também das condições que lhe estão associadas», afirmou o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas à saída da cerimónia de apresentação de cumprimentos ao cardeal Manuel Clemente, que decorreu no Mosteiro dos Jerónimos.








«A ideia de que existe aqui um conjunto de países na Europa que quer que a Grécia passe mal, é um absurdo», disse.