As eleições para o Parlamento Europeu, que decorrem desde as 08:00 deste domingo em Portugal, registaram uma afluência às urnas de 23,37% até às 16:00, segundo dados da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna. Assim, a abstenção ronda quase os 77% até às 16:00.

A percentagem de afluência deste ano é inferior à das últimas eleições para o Parlamento Europeu, realizadas em maio de 2014, que, à mesma hora, se cifrava em 26,31%.

Quanto aos eleitores comunitários não nacionais, à mesma hora, a afluência este ano foi de 20,95% face aos 15,82% registados em 2014.

Votaram até às 16:00 menos 36.262 pessoas do que nas eleições para o Parlamento Europeu de 2014, apesar de haver este ano mais um milhão de recenseados para eleger os eurodeputados portugueses.

Aos 23,37% de afluência às urnas correspondem 2.514.882 eleitores enquanto os 26,31% registados à mesma hora nas eleições europeias de 2014 correspondem a 2.551.144 eleitores.

Os eleitores com capacidade eleitoral ativa são no total 10.761.156, quando nas anteriores eleições para o Parlamento Europeu, em maio de 2014, eram 9.696.481.

Cerca de 10,7 milhões de eleitores são hoje chamados a eleger os 21 deputados portugueses ao Parlamento Europeu, numas eleições a que concorrem 17 listas.

Votam para as eleições ao Parlamento Europeu cerca de 400 milhões de cidadãos dos 28 países da União Europeia, que elegem, no total, 751 deputados.

Em Portugal, em termos das listas concorrentes, em 2014 o PSD e o CDS-PP formaram uma coligação e, este ano, apresentam-se às eleições com listas separadas.

A CDU, que junta tradicionalmente em atos eleitorais o PCP, o PEV e a Intervenção Democrática, volta a apresentar-se como coligação.

A concorrer pela primeira vez está a coligação Basta (composta pelo PPM e PPV-CDC), contando com o apoio do novo partido Chega e do Movimento Democracia 21.

O PDR, a Aliança, o Nós, cidadãos!, a Iniciativa Liberal e o PURP apresentam-se também pela primeira vez a eleições europeias.

No boletim de voto os partidos estão inscritos pela seguinte ordem: PCTP, PDR, PAN, PS, Aliança, PNR, Nós, cidadãos!, PTP, PSD, BE, Iniciativa Liberal, MAS, CDS, PURP, Basta, LIVRE e CDU.

Em 2014, o PS obteve oito mandatos, o PSD/CDS-PP sete, o PCP-PEV três, o MPT dois e o BE um mandato.

Há cinco anos, votaram 33,91% de eleitores, pelo que a abstenção foi de 66,09%.

As europeias deste ano em Portugal ficam também marcadas pelo fim do número de eleitor e pela possibilidade de todos os eleitores poderem votar antecipadamente, desde que o peçam.