O candidato do PS/Livre à presidência da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, defendeu hoje a necessidade de “enfrentar com coragem” o tema da mobilidade, acusando a direita de ter como resposta manter ou agravar a situação atual.

Temos mesmo que enfrentar com coragem o tema da mobilidade e do padrão de mobilidade. O padrão de mobilidade não se enfrenta por decreto, enfrenta-se com soluções concretas”, salientou o candidato e atual presidente do município, numa ação de campanha no Cais do Sodré.

Acompanhado pelo secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, Fernando Medina fez uma breve apresentação do plano de investimentos na área dos transportes para Lisboa.

Considerando que “a mobilidade é responsável por quase metade do volume de emissões dentro da cidade de Lisboa” e que entram cerca de 370 mil veículos diariamente, a resposta tem de ser metropolitana.

Nenhum município por si tem capacidade de responder a este grande desafio da mobilidade”, defendeu Fernando Medina.

“A direita sobre esta matéria tem resposta nenhuma, ou melhor, tem uma resposta que é manter o que está ou agravar o que está”, acusou, acrescentando que “a ideia de privilegiar a circulação automóvel” e de construir “uma muralha de silos automóveis à volta da cidade” é um “absurdo”.

O atual presidente da autarquia destacou as “decisões importantíssimas” tomadas pelo Governo na área da ferrovia, assim como a extensão da linha vermelha do Metropolitano de Lisboa – que termina atualmente em São Sebastião - para Alcântara, passando por novas estações nas Amoreiras, Campo de Ourique e Infante Santo.

Realçou, igualmente, o metro de superfície para a zona ocidental de Lisboa e Oeiras e também para a zona oriental, estendendo-se até Sacavém.

Fernando Medina sublinhou ainda o trabalho feito ao nível do passe social único e da Carris Metropolitana, a única operadora que vai operar na Área Metropolitana de Lisboa.

Esta é a diferença de fundo [em relação aos adversários]. A ligação dos municípios à cidade de Lisboa será feita através de transporte coletivo público sustentável, eficaz, a tempo e horas, que funciona, para reduzir a necessidade e a dependência do transporte individual”, frisou.

Interpelado pelos jornalistas sobre a presença de governantes na iniciativa, Medina respondeu: “nós gostamos de estar ao lado uns dos outros, somos camaradas, temos uma visão partilhada sobre muitas matérias e, por isso, ao contrário de outro partidos em que se discute muito a sua sucessão e o que é que estas eleições significarão sobre o poder interno de um partido, aqui não”.

Concorrem à presidência da Câmara de Lisboa Fernando Medina (coligação PS/Livre), Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), Beatriz Gomes Dias (BE), Bruno Horta Soares (IL), João Ferreira (PCP), Nuno Graciano (Chega), Manuela Gonzaga (PAN), Tiago Matos Gomes (Volt), João Patrocínio (Ergue-te), Bruno Fialho (PDR), Sofia Afonso Ferreira (Nós, Cidadãos!) e Ossanda Líber (movimento Somos Todos Lisboa).

Agência Lusa / NM