O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quinta-feira que a decisão de proibir qualquer arraial durante os Santos Populares "era a única que se impunha" e foi tomada "em consciência". 

Foi a decisão que tomámos e creio que era a única que se impunha. É uma decisão que, como imagina, nenhum presidente de câmara gostaria de tomar, gostaríamos, aliás, de poder dar outra notícia à cidade, mas tomamos esta decisão em consciência", disse no final de uma visita, que realizou acompanhado pelo coordenador da ‘task force’ da vacinação, ao maior centro de vacinação contra a covid-19 de Lisboa, localizado no Estádio Universitário.

Alegou ainda que a eventual realização de algum tipo de evento deste tipo "aumentaria significativamente os riscos de propagação da pandemia". 

Medina apelou para que as pessoas reduzam ao máximo os comportamentos de risco e que cumpram com o distanciamento social e o uso de máscara. Adiantou ainda que nos próximos dias a Polícia Municipal irá realizar operações de sensibilização junto dos comerciantes e das coletividades.

Nós ainda não vencemos esta pandemia e se é verdade que os impactos da pandemia sobre os mais vulneráveis, sobre o sistema nacional de saúde, são hoje menores do que aqueles que eram em janeiro/fevereiro, é também verdade que os impactos sobre o funcionamento da economia continuam bem reais."

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa referiu que não teme um retrocesso da capital no processo de desconfinamento, uma vez que o único risco inerente é o de não avançar para a próxima fase. 

Para nós esta abertura das novas fases e podermos utilizar toda a capacidade de vacinação é da maior importância, pois como é do conhecimento de todos Lisboa encontra-se com um indicador de alerta relativamente ao número de casos e a aceleração da vacinação é uma das formas, um dos instrumentos muito importantes para se evitar o risco de subida” de novos casos, comentou.

 

Para haver uma regressão resultaria do facto de o município estar num patamar superior a 240 por mais de duas semanas. Lisboa não chegou a esse patamar."

O centro de vacinação do pavilhão 1 do Estádio Universitário, considerado o maior da cidade de Lisboa, tem capacidade para administrar 3 mil vacinas por dia.

Além de Lisboa, existem mais cinco concelhos em situação de alerta por registarem mais de 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes, nomeadamente Salvaterra de Magos (Santarém), Vale de Cambra (Aveiro), Braga, Cantanhede (Coimbra) e Castelo de Paiva (Aveiro).

Cláudia Évora / Notícia atualizada às 14:34