«O Presidente da República deve falar quando entender. Já percebemos que será depois do dia 11», afirmou esta sexta-feira Marcelo Rebelo de Sousa, antes de partir na arruada social-democrata com mais notáveis desta campanha, e que percorreu parte da Avenida da Igreja.

O professor considera que Cavaco Silva só voltará ao caso das «escutas» depois das eleições autárquicas, apesar de não concordar que a polémica em torno de Belém tenha feito estragos na campanha do PSD.

Houve «outras coisas que influenciaram estes últimos 15 dias: casos a mais que beneficiaram sistematicamente o PS», concluiu Rebelo de Sousa.

Judite França