A 44.ª festa político-cultural do PCP vai “Avante!” entre sexta-feira e domingo, no Seixal, apesar das críticas pelo contexto pandémico, mas limitada a um sexto dos visitantes diários (16.500 pessoas) em plateias sentadas.

Os responsáveis comunistas, em ligação com a Direção-Geral da Saúde (DGS) e outras autoridades, aumentaram o recinto das quintas da Atalaia e do Cabo da Marinha, Amora, Seixal, para 30 hectares, assim como o espaço ao ar livre para público nos diversos palcos do certame anual, que alia música, teatro, cinema, gastronomia e exposições ligadas àquela ideologia política.

O distanciamento preventivo, o uso de máscara, a proliferação de dispensadores de álcool gel e de pontos de água, a higienização frequente de casas de banho e de outras instalações ou o recurso preferencial a pagamentos sem contacto (cartões) são várias das medidas sanitárias adotadas, assim como horários mais restritos e a proibição de bebidas alcoólicas nos espetáculos.

O evento, como é habitual, vai ser aberto oficialmente pelo secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, com um discurso, pelas 19:00 de sexta-feira. Porém, para impedir grandes ajuntamentos, as portas serão abertas a militantes e público em geral logo pelas 16:00.

O líder do PCP deverá manter a defesa das “políticas patrióticas e de esquerda” e o caderno de encargos dos comunistas numa altura em que já decorrem negociações à esquerda sobre o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), mas sem responder diretamente ao desafio de julho do homólogo socialista, António Costa, para reeditar as “posições conjuntas” da anterior legislatura, nem ao seu mais recente ultimato sobre uma eventual crise política em caso de desacordo à esquerda.

Esta também pode ser a derradeira festa de Jerónimo de Sousa, 73 anos, como líder comunista, já que vem alimentando o tabu da sua continuidade à frente do partido desde fevereiro de 2019. O XXI Congresso Nacional do PCP está marcado para entre 27 e 29 de novembro, no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures (distrito de Lisboa).

O secretário-geral do PCP prometeu também “lá para setembro” a apresentação do nome do partido candidato às eleições presidenciais de janeiro, mas a novidade deve ser guardada para “cerimónia específica” que “não neste fim de semana”, segundo fonte comunista.

No cartaz dos concertos, a primeira noite vai ser animada no palco 25 de Abril – o maior do recinto das quintas da Atalaia e do Cabo da Marinha – pelo concerto “sons e vozes de África contra o racismo”, com artistas de Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Angola.

No auditório 1.º de Maio, o protagonismo será dos fadista Aldina Duarte e Camané e de Mário Laginha.

No sábado, entre os muitos debates previstos, o humorista Ricardo Araújo Pereira vai discutir humor e política com Margarida Botelho, do PCP.

No palco 25 de Abril vão desfilar Mão Morta, Capicua, Dino D’Santiago e Blasted, enquanto Lena D’Água e Dead Combo ocupam o auditório 1.º de Maio.

Para o terceiro e último dia de festa, domingo, além do comício e intervenção de fundo de Jerónimo de Sousa, pela primeira vez face a uma plateia sentada, a música vai estar a cargo de Stereossauro e os convidados Camané, Marisa Liz, Carlão, Chullage e Ricardo Gordo, antes do concerto de encerramento de Xutos & Pontapés.

/ AG