Nuno Artur Silva, fundador da empresa "Produções Fictícias", é um dos novos secretários de Estado do Governo de António Costa.

O empresário, escritor e produtor, de 57 anos, que se tornou conhecido pelo seu trabalho na área do humor, vai ser secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media.

Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas pela Universidade Nova de Lisboa, Nuno Artur Silva foi professor do ensino básico e secundário.

Começou a escrever textos de humor nos anos 90, para o programa “Joaquim Letria”, da RTP2. Trabalhou também com José Pedro Gomes e Miguel Guilherme e com Herman José no programa “Parabéns”. Fundou as Produções Fictícias, em 1993, uma das mais importantes produtoras na área do humor em Portugal.

Foi administrador e assessor criativo da direção de programas da RTP de fevereiro de 2015 a janeiro de 2018.

O novo secretário de Estado ficará com a tutela da comunicação social com participação maioritária do Estado, ou seja a RTP e a Lusa - Agência de Notícias de Portugal.

Em maio de 2018, Nuno Artur Silva afirmava, numa audição parlamentar, que é defensor do modelo do Conselho Geral Independente da RTP, porque representou um sinal de independência e apontou que o problema da empresa é o financiamento.

Numa entrevista com a revista "Visão", em setembro, questionado sobre o futuro do jornalismo e o seu modelo de negócio, Nuno Artur Silva disse que “se a democracia precisa de jornais, o Estado tem de cobrar uma taxa qualquer para que se paguem projetos jornalísticos, não haverá outra possibilidade”.

Também este ano, ao "Observador", Nuno Artur Silva considerou que “o cinema português despreza a televisão porque a considera comercial, e não artística, e a televisão portuguesa considera o cinema português elitista, sem ambição de público”, algo que encara como um “divórcio” que “tem sido trágico para o desenvolvimento de formatos audiovisuais”.

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, apresentou esta segunda-feira ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, uma equipa de 50 secretários de Estado para o XXII Governo Constitucional, entre eles 18 mulheres.

 

Patrícia Gaspar e Antero Luís na nova equipa do MAI

O Ministério da Administração Interna vai contar com dois novos secretários de Estado, Patrícia Gaspar para a Proteção Civil e Antero Luís como Adjunto e da Administração Interna, deixando de estar nesta tutela a administração local.

A atual segunda comandante da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANECP) e porta-voz desta estrutura durante os incêndios de 2017, Patrícia Gaspar, vai assumir a secretaria de Estado da Proteção Civil.

Patrícia Gaspar ingressou na Proteção Civil em 2000, tendo desempenhado as funções de adjunta de operações nacional, comandante operacional distrital de Setúbal e, desde dezembro de 2017, que é segundo comandante operacional nacional da ANEPC, tendo ainda passado pelas secretas e pela Marinha.

O juiz desembargador do Tribunal da Relação de Lisboa Antero Luís vai ocupar o cargo de secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna.

Antero Luis, que vai ocupar o lugar de Isabel Oneto, foi diretor do Serviço de Informações de Segurança, entre 2005 e 2011, e Secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, entre 2011 e 2014.

 

Juiz conselheiro Mário Belo Morgado é o novo secretário de Estado na Justiça

O Ministério da Justiça vai ter um novo secretário de Estado, o juiz conselheiro Mário Belo Morgado, mantendo-se na equipa a secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso.

O juiz conselheiro Mário Belo Morgado vai ocupar o cargo de secretário de Estado Adjunto e da Justiça. Belo Morgado exerceu funções como juiz desembargador nas Relações de Lisboa e de Coimbra, juiz conselheiro no Supremo Tribunal de Justiça e, no Conselho Superior da Magistratura, foi inspetor judicial e vice-presidente, tendo ainda sido o primeiro civil a comandar a Polícia de Segurança Pública.

Além de se manter no cargo a ministra Francisca Van Dunem, a secretária de Estado da Justiça continua também a ser ocupada por Anabela Pedroso.

 

Jamila Madeira e António Sales na nova equipa da Saúde

Os deputados socialistas Jamila Madeira e António Sales são os novos secretários de Estado da ministra da Saúde, Marta Temido.

Jamila Madeira, licenciada em Economia, vai assumir o cargo de secretária de Estado Adjunta da Saúde, substituindo Francisco Ramos, enquanto António Lacerda Sales, licenciado em Medicina, será o secretário de Estado da Saúde, assumindo um cargo que era ocupado por Raquel Duarte.

Mestre em Finanças pelo INDEG/ISCTE, Jamila Madeira, nascida em 1975 e natural de Alte (Loulé), é quadro da REN - Redes Energéticas Nacionais desde 1997, na qual desempenhou funções como diretora para a Agenda Europeia de Energia.

Foi vice-presidente do grupo parlamentar do PS com o pelouro da saúde, vice-presidente do grupo parlamentar do PS nas VIII, IX e XIII legislaturas, deputada ao Parlamento Europeu (2004-2009), onde assumiu responsabilidades nas áreas do emprego, assuntos sociais e desenvolvimento regional. Entre 2000 e 2004 foi secretária-geral da Juventude Socialista e desde 1999 é Comissária Política Nacional do Partido Socialista. Jamila Madeira foi ainda membro da Comissão Política Nacional de Recandidatura de Jorge Sampaio a Presidente da República (2001).

Já António Lacerda Sales, nascido em Leiria, em 1962, foi deputado à Assembleia da República na XIII Legislatura, integrou as comissões de Assuntos Europeus, de Saúde [Coordenador do Grupo Parlamentar], de Defesa Nacional (suplente) e do Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação [Suplente]. Fez também parte do Grupo de Trabalho para o Acompanhamento da Problemática da Diabetes e o Grupo de Trabalho para o Acompanhamento das Doenças Oncológicas.

Exerceu como médico ortopedista no Hospital de Santo André do Centro Hospitalar de Leiria, EPE até ao início da XIII Legislatura, mantendo atividade na Clínica de S. Francisco, em Leiria, e em consultório pessoal.

É licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e autor de publicações na área da medicina desportiva e do envelhecimento saudável e ativo.

 

Berta Nunes, a próxima secretária de Estado das Comunidades Portuguesas

A médica e ex-presidente da Câmara Municipal de Alfândega de Fé Berta Nunes é a próxima secretária de Estado das Comunidades Portuguesas.

Berta Ferreira Milheiro Nunes licenciou-se em medicina e cirurgia pela Faculdade de Medicina do Porto, sendo doutorada em Antropologia médica pela Escola de Medicina Abel Salazar, no Porto.

Desempenhou as funções de presidente da Câmara de Alfândega de Fé entre 2009 e 1 de agosto, altura em que suspendeu o mandato para concorrer às legislativas como número dois do PS pelo distrito de Bragança.

 

Ambiente com três caras novas

O Ministério do Ambiente e Ação Climática vai começar a legislatura com três secretários de Estado novos, mantendo-se João Galamba, que fica como Adjunto e da Energia.

Para a Secretaria de Estado do Ambiente entra Inês dos Santos Costa - que substitui João Ataíde -, adjunta de Matos Fernandes desde 2016 e doutorada em Engenharia do Ambiente pelo Instituto Superior Técnico.

Como secretário de Estado da Mobilidade fica Eduardo Nuno Rodrigues e Pinheiro, que foi vice-presidente do conselho de administração da Agência de Energia do Porto, autarca em Matosinhos e é licenciado em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa.

A secretaria de Estado da Conservação da Natureza e do Ordenamento do Território passa a chamar-se também das Florestas e entra João Paulo Marçal Lopes Catarino em substituição de Célia Ramos. João Paulo Marçal Lopes Catarino foi no governo anterior o secretário de Estado da Valorização do Território, sob a tutela do ministro da Economia.

 

Susana Amador é a única novidade na equipa da Educação

A deputada e ex-autarca Susana Amador é a única novidade da equipa do Ministério da Educação que mantém os restantes governantes, tal como acontece no Ministério do Ensino Superior que não tem alterações.

Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa, pós-graduada em Estudos Europeus pela Universidade Católica, e Mestre em Ciências da Comunicação e do Direito pela Universidade Nova de Lisboa, Susana Amador vem substituir Alexandra Leitão, que passa agora a ocupar a pasta de Ministra de Modernização do Estado e da Administração Pública.

 

Rita Marques assume Turismo e André de Aragão Azevedo a Transição Digital

A presidente da sociedade capital de risco Portugal Capital Ventures, Rita Marques, vai assumir a pasta do Turismo, e André de Aragão Azevedo a nova secretaria do Ministério da Economia dedicada à Transição Digital.

Rita Marques substitui Ana Mendes Godinho, que subiu a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, como secretária de Estado do Turismo.

Outra novidade na equipa do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, é a criação de uma nova secretaria de Estado para a Transição Digital que vai ser assumida por André de Aragão Azevedo.

João Neves, que já era secretário de Estado da Economia, é promovido a adjunto de Siza Vieira. A pasta do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor mantém-se com João Torres e deixa de existir a secretaria de Estado da Valorização do Interior, que era liderada por João Catarino.