O Bloco de Esquerda (BE) afirmou-se hoje disponível para conversar com o Governo sobre o Orçamento do Estado de 2021 (OE2021), mas espera que seja “o Governo e o PS a darem um passo” nesse sentido.

Faz falta agora o Governo e o PS darem algum passo se quiserem” um “entendimento, que o BE considera muito importante”, afirmou a coordenadora bloquista, Catarina Martins, depois de um encontro com o Conselho Nacional de Juventude (CNJ), em Lisboa.

Depois de anunciar as suas 12 propostas para a generalidade no Orçamento, que apresentou como essenciais para viabilizar as contas do executivo para 2021, não houve avanços, a avaliar pelas palavras de Catarina Martins, que, questionada por diversas vezes, não respondeu diretamente se já houve conversações com os socialistas.

Até ver não houve nenhum sinal sobre essa matéria, mas as votações na especialidade ainda não aconteceram”, disse.

E sobre eventuais encontros com o Governo, foi evasiva: “Temo-nos encontrado todos os dias no parlamento, nas várias audições.”

Mais apoio aos jovens

A líder do Bloco de Esquerda defendeu ainda que deve ser dada a prioridade “à proteção dos mais jovens” no Orçamento do Estado de 2021 e pondo fim ao período experimental de seis meses nos contratos de trabalho.

Depois de se reunir com a direção do Conselho Nacional de Juventude (CNJ), Catarina Martins fez o apelo para que se reverta “o aumento do período experimental para jovens à procura de primeiro emprego”, que foi alargado pelo Governo do PS para 6 meses e que afetou muitos jovens.

A segunda medida importante a adotar é para que “em todos os apoios públicos às empresas” sejam “protegidos os trabalhadores precários”, dado que os muitos dos mecanismo adotados para combater os efeitos da pandemia de covid-19 têm deixado “de fora as gerações mais novas”.

Apelo para que nestes dias de votação na especialidade do Orçamento do Estado [de 2021] que se encare como prioridade a proteção dos mais jovens nesta pandemia”, afirmou.  

/ LF - Notícia atualizada às 13:28