está «totalmente indisponível» para consensualizar uma redução global de 600 milhões de euros nas pensões públicas,











«Podemos não conhecer os pormenores mas sabemos que as medidas que foram solicitadas aos portugueses de sacríficos estão a ser removidas, de forma gradual, como sempre foi dito. Porque todos nós sabemos que não queremos voltar aos programas de austeridade que tivemos que viver devido ao resgate financeiro que o PS obrigou Portugal.»


a um ritmo de 20% por ano, a redução salarial na função pública e reduzir a sobretaxa de IRS até 2019, anunciou também a ministra das Finanças.



«O PS só esteve disponível para discutir com a maioria a nomeação do governador do Banco de Portugal, prova de que o PS está mais interessado em discutir lugares do que problemas que dizem respeito às pessoas.»

«Nós acreditamos que o princípio da responsabilidade vai imperar e se o PS vir a ser Governo, deve dizer aos portugueses como resolve os problemas, não fingir-se de morto nem ficar escondido na sede, no largo do Rato.»