O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, uma recomendação ao Governo para que este indemnize a família de um trabalhador de Oleiros que morreu num incêndio em 2017 nos mesmos termos que as vítimas dos fogos de outubro desse ano.

O texto da Comissão de Agricultura e Mar, que surgiu na sequência dos projetos de resolução do PSD e do CDS-PP, foi aprovado por todos os grupos parlamentares, com exceção do PS, que se absteve.

Avelino Ferreira, trabalhador da Câmara de Oleiros, de 50 anos, morreu quando combatia um incêndio que deflagrou naquele concelho, em 7 de outubro de 2017.

A Comissão de Agricultura e Mar recomenda agora que o Governo indemnize a família da vítima, "nos mesmos termos que as vítimas dos incêndios dos dias 15 e 16 de outubro de 2017", previstos na resolução do Conselho de Ministros de 27 de outubro daquele ano.

Os projetos de resolução do PSD e CDS surgiram após a recusa do Governo em indemnizar a família da vítima do incêndio.

O autarca de Oleiros, Fernando Marques Jorge, deu como solução o recurso à via judicial para processar o Estado português, defendendo uma indemnização para a família da vítima.

Presidente da Câmara de Oleiros acusa PS de ter “medo” do primeiro-ministro

O presidente da Câmara de Oleiros afirmou, esta sexta-feira, que a abstenção do PS na votação da recomendação ao Governo para indemnizar a família do trabalhador que morreu no incêndio em 2017 demonstra o "medo" dos socialistas ao primeiro-ministro.

Ao abster-se, o PS nada mais demonstra, do meu ponto de vista, do que medo do senhor [António] Costa, o único primeiro-ministro na história democrática que não ganhou umas eleições em Portugal", afirmou Fernando Marques Jorge.

O Parlamento aprovou hoje uma recomendação ao Governo para que este indemnize a família de um trabalhador de Oleiros que morreu num incêndio em 2017 nos mesmos termos do que as vítimas dos fogos de outubro desse ano.

Avelino Ferreira, trabalhador da Câmara de Oleiros, de 50 anos, morreu quando combatia um incêndio que deflagrou naquele concelho, em 07 de outubro de 2017.

O autarca realçou, contudo, a posição assumida por todos os partidos políticos do distrito de Castelo Branco, que se mostraram favoráveis à atribuição da indemnização à família do trabalhador da autarquia de Oleiros.

O PS, ao abster-se [no Parlamento], demonstra uma discriminação nítida face a pessoas pobres. Não é esta a esquerda que queremos para Portugal", sublinhou.

Fernando Marques Jorge reforçou ainda que, no distrito de Castelo Branco, tanto o PS como o PCP "são verdadeiros democratas, defensores das pessoas pobres".

Houve responsáveis do PS que já desempenharam as mais altas funções no distrito de Castelo Branco que estão revoltados com a situação", sustentou.

O autarca considera que este assunto não é uma questão partidária.

Isto é um problema de justiça, de solidariedade e também de caráter. Não notei que fosse um processo político. Trata-se de uma questão de caráter de um primeiro-ministro que discrimina pessoas pobres e humildes", concluiu.