O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, disse esta quarta-feira que a saída de Miguel Frasquilho da administração da TAP foi decisão do Governo, salientando que pretende “iniciar um novo ciclo”, refrescando os órgãos sociais da empresa.

À margem do lançamento da variante rodoviária a Arruda dos Vinhos, o governante disse que “Miguel Frasquilho, tal como os outros administradores, fizeram um trabalho muito importante pela TAP em nome do Estado e do país”.

O ministro relembrou que o setor da aviação foi o “mais atingido pela crise” e destacou “uma equipa que aguentou de forma muita intensa todo este processo até este momento, nomeadamente com a elaboração do plano de restruturação”.

O Estado português, o Governo português, está muito agradecido ao Miguel Frasquilho e a todos os administradores que representaram o Estado durante os últimos anos”, disse Pedro Nuno Santos.

Agora vamos entrar numa nova fase da vida da TAP, com o plano de reestruturação prestes a ser aprovado, esperemos nós, em Bruxelas, no início da recuperação económica e a nossa opção foi iniciar este novo ciclo com uma nova equipa”, indicou.

Vamos iniciar um novo ciclo e quisemos refrescar os órgãos sociais da empresa”, explicou o ministro, garantindo que a decisão “não tem que ver com um juízo negativo do trabalho que foi feito, fazemos um juízo positivo”.

O presidente cessante do Conselho de Administração da TAP afirmou sair com a "tranquilidade do dever cumprido", numa carta aos trabalhadores, explicando que a saída resulta da falta de conjugação de vontades para continuar entre o próprio e o Estado.

"Sairei com a tranquilidade do dever cumprido, de ter sido sempre leal à TAP, ao Estado português, como seu acionista de referência, e a Portugal", expressou Miguel Frasquilho, numa carta de despedida enviada aos trabalhadores da TAP, a que a Lusa teve acesso.

Miguel Frasquilho cessará funções como 'chairman' do grupo TAP na altura da próxima Assembleia Geral marcada para 24 de junho, tendo já sido proposto Manuel Beja para o substituir.

Para poder continuar nas funções que tenho vindo a desempenhar, seria necessária, como sempre disse quando questionado sobre o tema, uma conjugação de vontades entre mim próprio e o acionista Estado. Essa conjugação de vontades não existiu", explicou o 'chairman' que assumiu funções em 2017.

Presidente do conselho de administração da TAP desde 2017, Miguel Frasquilho, deverá ser substituído por Manuel Beja, segundo a proposta que irá à Assembleia Geral convocada para o próximo dia 24.

Manuel Beja, licenciado em Matemática Aplicada à Economia e à Gestão, tem experiência na área de tecnologia de informação e esteve anteriormente na Novabase.

De acordo com a informação, disponível no 'site' da companhia aérea, os restantes nomes a propor para o Conselho de Administração são Christine Ourmieres-Widener, Ramiro Sequeira, Alexandra Reis, João Gameiro, José Manuel Silva Rodrigues, Silvia Mosquera González, Patrício Ramos Castro, Ana Teresa Lehmann, Gonçalo Monteiro Pires e João Pedro da Conceição Duarte.

/ HCL