Hugo Santos Mendes, secretário de Estado Adjunto e das Comunicações disse à TVI que o plano para o novo Aeroporto de Lisboa está parado. "Porque o contexto mudou, deixou de ser premente", declarações reveladas pelo programa “Exclusivo”.

A polémica em torno do Aeroporto do Montijo está muito longe de ficar por aqui. Da Ordem dos Engenheiros ao ex-presidente do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, todos estão contra e apontam graves defeitos à localização e à própria pista. 

Agora, o assunto tornou-se sobretudo político.

A Câmara Municipal do Montijo classificou a opção da Base Aérea Número 6 como não tendo visão estratégica nacional e que, como tal, não poderia ser levada a sério.

Porém, agora é a favor. O programa Exclusivo lança a questão: Afinal o que levou a esta mudança?

Confrontado pela TVI, o autarca Nuno Canta admite que mudou radicalmente não por convicção, mas sim por causa do Governo.

O tema já deu muitas voltas, tal como a posição da câmara do Montijo. Quer como vice-presidente, quer já mais tarde enquanto presidente, Nuno Canta não só era frontalmente contra a opção Montijo, como também ferveroso defensor do campo de tiro de Alcochete. Foi precisamente lá, na freguesia de Canha, que afirmou que o novo aeroporto seria.

Facto é que esta a Câmara socialista do Montijo mudou de posição sobre o aeroporto, defendeu Alcochete até o Governo querer outra coisa.

À TVI, a câmara admite que a mudança surge por decisão do Governo.

Se recuarmos a 2008, António Costa fazia campanha como candidato à Câmara de Lisboa. Nesta altura, uma das bandeiras eleitorais era clara: “desmantelar a Portela”.

Para isso, António Costa, o autarca, defendia o novo aeroporto em Alcochete. Algo contrário ao que defende agora, enquanto primeiro-ministro.

E foi assim que a autarquia do Montijo, antes frontalmente contra, agora é a favor.

A verdade é que basta um veto de um município para travar o aeroporto e as câmaras de Seixal e Moita recusaram a opção da base aérea número 6.

Uma lei que o Governo decidiu agora mudar. O impacto é significativo e a vários níveis, a começar, desde logo pela obra.

André Carvalho Ramos