O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, inaugurou esta sexta-feira a 45.ª edição da Festa do Avante!, no Seixal. Em breve conversa com a TVI, o líder comunista apontou às eleições autárquicas, dizendo que o objetivo é ganhar mais câmaras e mais mandatos.

Questionado sobre os recentes elogios do PS, e numa altura em que está à vista a votação para o Orçamento do Estado de 2022, Jerónimo de Sousa pede que se coloquem os problemas "no sítio certo", aguardando uma proposta para se pronunciar sobre o documento, lembrando que "ainda falta muito por concretizar" em 2021.

O nosso compromisso é com os trabalhadores e não com o PS", atirou.

Quanto à festa, e à semelhança do que aconteceu há um ano, a mensagem de abertura de Jerónimo de Sousa foi transmitida através dos ecrãs do palco 25 de Abril e dos altifalantes espalhados pelo recinto, na Quinta da Atalaia, Seixal.

O secretário-geral do PCP apresentou “duas grandes lições e ensinamentos” extraídos das experiências do último ano, nomeadamente, a “ofensiva premeditada” para impedir a realização da Festa do Avante! e que “nada tinha a ver com preocupações de saúde pública”.

Na opinião do dirigente comunista foi criado um “clima de temor que atingiu centenas de milhar de portugueses”.

Quase conseguiram que o medo de morrer se transformasse em medo de viver, com os confinamentos excessivos com consequências na saúde de muitos portugueses. Viram na pandemia uma oportunidade para provocar mais desemprego”, sustentou, acrescentando que também “desencadearam um violento ataque” ao SNS.

Jerónimo de Sousa advogou que “o papel dos profissionais de saúde” impediu “que a situação fosse mais grave”.

Não há alternativa ao Serviço Nacional de Saúde, apesar de maltratado, subfinanciado e com profissionais não reconhecidos nos seus salários e nas suas carreiras. Lições e ensinamentos que mantêm validade e atualidade”, acrescentou.

Da 45.ª edição da Festa do Avante, Jerónimo de Sousa espera que se sinta “o pulsar a o fruir da vida”.

Tantas e tantas inquietações, tanta esperança contida, tanta tarefa que temos por diante – como é, por exemplo, a batalha das eleições autárquicas”, completou.

No final, em todos altifalantes foi transmitida a “Avante Camarada”, o hino do partido, seguida pela “Internacional”, momento em que elementos do PCP içaram 100 bandeiras espalhadas pela Quinta da Atalaia, em comemoração do centenário, e os visitantes aplaudiram.

A edição deste ano da Festa do Avante começou esta sexta-feira e vai decorrer até domingo na Quinta da Atalaia, no Seixal (distrito de Setúbal). Mais de 60 debates e o comício pelas 18:00 de domingo compõem o programa político da rentrée comunista, enquanto os “duetos improváveis” preenchem as atuações musicais.

António Guimarães / com Lusa