“Dizem-nos que não entendemos a realidade. Entendemos sim. Quando afirmamos a defesa da soberania nós fazemos uma opção. Aquela que está na Constituição. Que a soberania reside no povo e não aquelas que PS, PSD e CDS têm nos seus programas, a considerar que o nosso futuro passa pela imposição de Bruxelas ou de quaisquer entidades estrangeiras”, afirmou.