O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou hoje que o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, “não está preocupado com as questões do ambiente”, mas sim “com os interesses económicos” do seu país.

Esta posição de Trump não é para resolver as carências e o encurtamento deste acordo. Antes pelo contrário, procura apenas defender os interesses económicos dos Estados Unidos”, afirmou o líder comunista, no final de uma visita aos concelhos de Arraiolos e Mora, no distrito de Évora.

O presidente norte-americano, Donald Trump, justificou a desvinculação do acordo climático de Paris, anunciada na quinta-feira nos jardins da Casa Branca, com a desvantagem que este representa para os Estados Unidos da América.

Concluído em 12 de dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o acordo entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Portugal ratificou o acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

O acordo histórico teve como 'arquitetos' centrais os Estados Unidos, então sob a presidência de Barack Obama, e a China, e a questão dividiu a recente cimeira do G7 na Sicília, com todos os líderes a reafirmarem o seu compromisso em relação ao acordo, com a exceção de Donald Trump.

Jerónimo de Sousa frisou que o PCP sempre considerou este acordo “claramente insuficiente” em termos ambientais e de promoção e defesa dos interesses económicas, mas notou que “não é por isto que Trump está contra este Acordo de Paris”.

Fundamentalmente, está a procurar interesses económicos próprios dos Estados Unidos”, insistiu, considerando que esta decisão “conduz a uma contradição e rivalidade interimperialista”.

Em Arraiolos, já depois de visitar a vila de Mora, o líder do PCP cumprimentou populares no largo da câmara, foi recebido nos Paços do Concelho pela autarca comunista Sílvia Pinto e visitou o Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos.

Os eleitos da CDU à frente destes dois municípios [Arraiolos e Mora] foram capazes de concretizar o lema ‘trabalho, honestidade e competência’, o que nos dá muita confiança para a próxima batalha autárquica”, afirmou.