O líder do PCP alinhou esta terça-feira os argumentos para voltar a votar contra o 15.º estado de emergência para responder à pandemia de covid-19 e criticou o Governo pelo atraso nas medidas de reforço do SNS.

Num discurso, minutos depois de ter reunido, por videoconferência, com o Presidente da República, num encontro com militantes e profissionais da saúde, em Lisboa, Jerónimo de Sousa insistiu que o estado de emergência, desde o ano passado, “apenas tem servido para impor restrições à mobilidade dos portugueses” ou à atividade de milhares de “micro, pequenas e médias empresas”.

Portugal “necessita de medidas de prevenção e contenção do vírus” e o secretário-geral insistiu nas “reservas que têm motivado” o “distanciamento” do partido “em relação ao estado de emergência”, antecipando a manutenção do voto contra na quarta-feira, na renovação do decreto, na Assembleia da República, em Lisboa.

A opção, afirmou ainda, “não pode ser insistir o fecho de atividades”, no “condicionamento da vida social”, disse ainda, sintetizando a posição na frase: “A opção não pode ser ‘confina, desconfina e volta a confinar’.”

O secretário-geral enumerou medidas urgentes para fazer face à crise pandémica, já previstas no Orçamento do Estado, no qual o PCP ajudou a viabilizar pela abstenção e criticou os atrasos do Governo na tomada de medidas.

“É com preocupação que verificamos que a grande maioria dessas propostas dirigidas ao reforço do SNS ainda não tiveram concretização, nomeadamente o reforço da estrutura de saúde pública fundamental para o excito do combate à covid”, afirmou.

/ MJC