«O primeiro-ministro e a ministra das Finanças garantiam a pés juntos que a dívida continuava a ser sustentável e iria ser reduzida. Foi mais um anúncio, uma promessa, que falhou. A dívida e o serviço da dívida estão a atingir níveis insustentáveis e cada vez mais tem atualidade a nossa proposta de renegociação nos prazos, montantes e juros porque funcionam como um autêntico garrote financeiro ao país», disse.