"Quando o PS dá a iniciativa ao PSD/CDS, como foi patente no seu encontro de hoje, o que se coloca perante a situação que está criada é saber se o PS escolhe entre dar aval e apoio à formação de um Governo do PSD/CDS ou tomar a iniciativa de formar um Governo que tem garantidas condições para a sua formação e entrada em funções"





O deputado comunista vincou também que "o que conta verdadeiramente e determina as soluções para a governação são as maiorias que se formam na Assembleia da República e dão suporte a um Governo, e não o partido com mais votos".





"A composição da Assembleia da República, com PSD e CDS em minoria, permite uma base para outras soluções governativas, o que nestas circunstâncias seria inaceitável é que se desperdiçasse tal oportunidade", declarou.



"Um resultado que, pela sua evolução positiva, não está dependente de uma qualquer manobra de favorecimento mediático momentâneo", referiu.