O secretário-geral do PCP responsabilizou esta quinta-feira o PS e o PSD pelo impasse na escolha do próximo Provedor de Justiça. Jerónimo de Sousa defendeu ser urgente encontrar uma «solução alargada» para a sucessão de Nascimento Rodrigues, noticia a agência Lusa.

Nascimento Rodrigues, que terminou o segundo mandato há oito meses, afirma esta quarta-feira, em entrevista à revista Visão, perceber mal «o apetite do PS pelo lugar» do Provedor de Justiça e assinala que «o PS já ocupa todos os altos cargos públicos».

«Faz lembrar o Zeca Afonso: eles comem tudo», disse Nascimento Rodrigues, defendendo que «deveria caber ao segundo partido [PSD] a escolha [do próximo Provedor] embora por consenso, num quadro mais vasto de equilíbrio democrático de poderes».

«É incomportável esta situação de bloqueio», sustentou esta quarta-feira Jerónimo de Sousa, que falava à comunicação social no final de uma visita ao Arsenal do Alfeite, em Almada.

O impasse na escolha do sucessor de Nascimento Rodrigues «é um problema do PS, mas é sobretudo um problema do Bloco Central», afirmou, acrescentando que o PCP «não foi dado nem achado para dar uma contribuição» nesta matéria.

Para o líder comunista, PS e PSD «no parte e reparte de lugares nas instituições, de lugares no poder, procuram sempre cozinhar a dois o que devia ser uma figura consensual».

Jerónimo de Sousa disse ser urgente «encontrar uma solução alargada do conjunto das bancadas parlamentares» e lamentou a existência daquilo que classificou de uma «visão mesquinha».