O secretário-geral comunista defendeu esta quarta-feira que a Quinta do Braamcamp, no Barreiro, só pode voltar a ser da população com a derrota do PS nas eleições de domingo, e foi recebido por uma enchente ao final da tarde.

Uma vitória da CDU corresponderia à resolução do problema, voltando ao objetivo original que sempre existiu, que é um espaço para o lazer, para a fruição, para a qualidade do ambiente, para a atividade do desporto, e não para um negócio imobiliário por parte de um grupo económico”, sustentou Jerónimo de Sousa.

O dirigente do PCP visitou durante a tarde os 21 hectares que compõem a Quinta do Braamcamp, que agora está em ruínas.

O espaço foi comprado em dezembro de 2016 pela autarquia do Barreiro, na altura presidida pela CDU, com a finalidade de construir um espaço para a população usufruir.

O projeto contemplava a arborização do espaço e a criação de condições para várias atividades lúdicas, como observação de aves, e desportivas.

Contudo, em 2017 o PS conquistou o município do Barreiro e alterou os planos para a Quinta do Braamcamp, que antigamente pertenceu à Sociedade Nacional de Cortiças.

O município socialista pretendia alienar o espaço para construção de uma unidade hoteleira. A requalificação do espaço foi, entretanto, embargada por uma providência cautelar interposta por um movimento de cidadãos que quer que o Braamcamp seja para usufruto dos barreirenses.

Jerónimo de Sousa considerou que a autarquia “não esperava a reação da população” e disse não perceber “a teimosia” do PS em recuar na alienação deste espaço.

O membro do Comité Central lamentou que aquilo que a autarquia presidida pela CDU “tinha comprado com o objetivo de melhorar as condições de vida” dos barreirenses, esteja agora “na mira do negócio, particularmente, com fins imobiliários”.

As expectativas na reconquista do Barreiro pela CDU são altas, por isso, Jerónimo de Sousa veio 'dar um empurrão' à candidatura de Carlos Humberto, que liderou a autarquia durante 12 anos.

O final da tarde foi reservado para uma sessão pública e o secretário-geral do PCP foi recebido por uma multidão de algumas centenas de pessoas. Chegaram com uma faixa e a empunhar bandeiras da CDU e preencheram o relvado da Avenida Escola dos Fuzileiros Navais.

A chegada dos apoiantes da coligação foi acompanhada pela canção popular italiana “Bella Ciao”, símbolo de resistência ao fascismo de Mussolini, interpretada por um coletivo local.

Durante a ação de campanha, o candidato à Assembleia Municipal do Barreiro, o dirigente e deputado do PEV José Luís Ferreira, alinhou com Jerónimo de Sousa e disse que a autarquia tem de “ser mais do que uma imobiliária” e devolver o Braamcamp à esfera pública.

Agência Lusa