O secretário-geral comunista defendeu que "a resposta estrutural aos problemas do país não se faz com o Governo do PS", no primeiro de dois dias de jornadas parlamentares pelo distrito de Santarém.

"A resposta estrutural aos problemas do país não se faz com o Governo do PS, nem com a sua atual política, amarrado a opções de política de direita", afirmou Jerónimo de Sousa, num hotel escalabitano.

Elencando a série de "lutas" em curso pelos direitos dos trabalhadores, o líder do PCP sustentou que "está à vista que para pôr o país a avançar a sério, para dar solução ao que o país precisa para se desenvolver, para dar solução aos problemas acumulados, isso exige uma outra política".

"É tempo de romper com o desastroso caminho que tornou Portugal um país crescentemente mais frágil, mais dependente mais desigual no plano social e territorial, com a sistemática alienação dos setores estratégicos, recursos, capacidade produtiva, da sua soberania", disse, a 15 dias de se conhecer o Orçamento do Estado para 2019, negociado entre o executivo socialista, o BE, o PCP e "Os Verdes".

Jerónimo de Sousa insistiu que "está na hora de pôr fim a uma política que levou ao crescente domínio do grande capital nacional e sobretudo estrangeiro sobre a economia do país".