Durante o dia, Jerónimo de Sousa poupou o Governo de José Sócrates e aquilo a que chama de «política de direita». Fez discursos mais direccionados para os públicos que foi encontrando ao longo do dia. Mas, à noite, voltou às críticas e aos apelos contra a «política de direita» e à alternância entre PS e PSD. O tema tem sido recorrente ao longo da campanha, desde o dia da abertura oficial, em Évora.

«É falso aquilo que Sócrates anda a afirmar, que estamos a sair da crise. Não pode haver nenhuma saída da crise com o aumento do desemprego. Não pode haver nenhuma saída da crise com a destruição do nosso aparelho produtivo e da nossa produção nacional», disse, durante o jantar-comício em Almada, em que discursou para mais de 700 pessoas.

«Como é que se admite que o Governo tenha feito poupança à custa dos desempregados? (...) Hoje há milhares e milhares de jovens que bem podem acusar o partido socialista e o Governo de José Sócrates de não terem direito ao subsídio de desemprego», considerou o candidato da CDU às eleições legislativas, acrescentando que a CDU propõe «alteração de critérios» e o «alargamento de subsídio de desemprego», para fazer face às «situações insustentáveis das famílias».

«Deputados» Sócrates e Ferreira Leite»

Jerónimo de Sousa esclareceu as centenas de apoiantes, que se reuniram num restaurante de Almada, que as eleições de 27 de Setembro não se resumem à escolha entre José Sócrates e Manuela Ferreira Leite.

«Que papel é que eles dão aos deputados? Nós temos outra visão e é mais correcta: as eleições são para eleger 230 deputados, onde podem ser eleitos os deputados ferreira leite e Sócrates, mas não são para eleger nenhum Governo, nem nenhum primeiro-ministro», explicou.

Ao contrário de Jerónimo, que foi aplaudido efusivamente à chegada e interrompido durante o discurso com vários gritos de incentivo, os nomes de José Sócrates e Manuela Ferreira Leite foram insistentemente apupados e vaiados, cada vez que vieram a lume no comício.

Voltar a ser primeiro em Setúbal

Jerónimo de Sousa diz que a CDU está a crescer e quer eleger mais deputados no distrito de Setúbal e está convencido que a coligação vai ganhar na região. «Somos a primeira força política, aquela que mais votos obteve nas últimas eleições autárquicas, aquela que mais votos recolheu nas últimas eleições europeias e estou esperançado que, com a força do povo, seremos a primeira força política no próximo dia 27, nas eleições para a Assembleia da república, aqui no distrito de Setúbal», confessou.

CDU quer Parque da Arrábida património mundial

Jerónimo passou mais um dia no distrito de Setúbal, um bastião da CDU. Teve, este sábado a maior arruada de toda a campanha no Barreiro, com a presença de várias centenas de pessoas. Almoçou com pescadores de Sesimbra, a quem falou de alteração da legislação no sector das pescas e do ordenamento do porto local. À tarde visitou uma Associação de reformados, onde espreitou os jogos de cartas, que se disputavam nas várias mesas. Depois esteve com jovens, em Cacilhas, e falou de Ensino Superior, habitação, emprego e Futuro. Pediu às dezenas que o ouviam que não permitissem que lhes «tomassem as rédeas do futuro». O dia terminou em grande, com casa cheia, num comício em Almada. Nem a gafe do dia, acerca da conta bancária, lhe toldou o positivismo do dia.
Redação / Manuela Micael