O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, fez esta manhã um ponto de situação do contingente militar português que se encontra na base militar de Besmayah, a cerca de 40 quilómetros de Bagdade, no Iraque.

O contingente militar português no Iraque, estamos a falar de 34 elementos, estão bem e fora de qualquer tipo de perigo", disse João Gomes Cravinho aos jornalistas, no âmbito de uma visita à Academia de Comunicações da NATO, em Oeiras.

O ministro esclareceu ainda que o contingente militar português está a 200 e 350 quilómetros de distância das duas bases atacadas: "estão muito longe do local onde ocorreu estes incidentes". Ainda assim, as medidas de segurança do perímetro da base foram reforçadas.

Questionado sobre se se iria ordenar a retirada destas tropas do Iraque, João Gomes Cravinho disse que ainda era cedo para essa conclusão, mas, no entanto, a missão de formação foi suspensa.

Ainda é prematuro. Vamos ver como é que as autoridades iraquianas desenvolvem a sua posição. Sabemos que houve uma tomada de posição por parte da assembleia no parlamento iraquiano no domingo, mas é uma proposta que o parlamento faz ao governo, que não tomou nenhuma posição" e acrescenta "a nossa missão é uma missão de formação. Os nossos militares não estão envolvidos em operações, estão puramente a fazer formação. A formação e todas as atividades foram suspensas. Aliás, já tinham sido suspensas dois dias antes da morte do general Soleimani".

Cravinho disse que Portugal vai aguardar para ver "como assenta a poeira" e que os próximas dias serão, eventualmente, mais claros para uma tomada de posição. 

Sublinhou que a base onde estão aquartelados os militares portugueses, enquadrados no contingente espanhol na coligação internacional contra o “Daesh” é “uma base algo isolada”.

O Ministério da Defesa enviou esta manhã um comunicado no qual esclareceu que o contingente português não foi afetado pelos ataques. 

Na sequência do que tem sido noticiado relativamente aos ataques a bases aéreas norte-americanas, o Ministério da Defesa Nacional informa que o contingente militar português não se encontra aquartelado nessas instalações, permanecendo na base militar de Besmayah, e não foi afetado pelos acontecimentos desta madrugada", lê-se no documento. 

Este destacamento integra o 10º contingente nacional no Iraque, integrado na missão da coligação internacional, que é liderada pelos norte-americanos, e que termina no mês de maio. 

A tutela disse ainda que está em "contacto regular com os militares portugueses presentes na região e serão tomadas as medidas de segurança que forem consideradas necessárias"

O ataque do Irão às bases militares de Ain Al Asad e Erbil, realizado esta quarta-feira, aconteceu depois da morte do general Qassem Soleimani.

Cláudia Évora