O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, considerou, esta segunda-feira, a resolução do conflito israelo-palestiniano «uma prioridade de importância estratégica» para a estabilidade da região, assim como para a segurança internacional.

«Partilhamos com a Jordânia a convicção de que a resolução do conflito israelo-palestiniano constitui uma prioridade de importância estratégica, não apenas para a promoção da paz e estabilidade regional, mas também para a segurança internacional», afirmou Cavaco Silva, num discurso no banquete de Estado em honra dos reis da Jordânia, no Palácio da Ajuda.

Contudo, alertou, a cooperação entre todas as partes é de «vital importância» para que o cessar-fogo possa dar origem a um processo de reconciliação que garanta o futuro de paz que israelitas palestinianos têm direito.

Neste âmbito, o chefe de Estado fez questão de sublinhar os esforços que a Jordânia tem desenvolvido em diferentes frentes do processo de paz, considerando que a «moderação, abertura ao diálogo e a dedicação à causa da paz» dos reis e do povo jordano são «uma fonte de esperança particularmente importante e inspiradora no período difícil que o processo de paz actualmente atravessa».

«Para Portugal, a Jordânia é um parceiro essencial para a melhor compreensão e avaliação de uma situação cuja importância para nós está bem reflectida na presença, entre as forças da UNIFIL, de um contingente português», acrescentou.

A «firme determinação» do reforço da cooperação entre Portugal e a Jordânia em todos os domínios foi igualmente assinalado por Cavaco Silva que apresentou Portugal como «um país moderno e competitivo», apostado em responder aos «desafios da globalização através de um crescente investimento na investigação, educação e inovação».
Redação / MM