Telejornal de sexta «faria sucesso numa República das Bananas»