Os ex-dirigentes socialistas José Lello e André Figueiredo negam veementemente que o ex-primeiro-ministro José Sócrates esteja a pressionar deputados do PS para votarem contra a proposta de Orçamento.

Na edição deste domingo, o jornal «Público» refere em primeira página que «José Sócrates pede a deputados do PS para chumbarem o Orçamento», aludindo a telefonemas para, «deputados que lhe são próximos».

Em declarações à agência Lusa, José Lello, ex-secretário nacional do PS para as Relações Internacionais, diz que «é mentira e uma refinada intriga dizer-se que José Sócrates telefonou para deputados para votarem contra o Orçamento». «Jamais José Sócrates me sugeriu tal coisa e se pensam que, com a instrumentalização do nome do meu amigo, me condicionarão o meu voto livre, estão muito enganados», disse José Lello.

Já André Figueiredo, ex-secretário nacional do PS para a Organização, considerou «lamentável que se utilize de forma indevida o nome de José Sócrates para condicionar a posição política dos deputados sobre o Orçamento do Estado».

«Este Orçamento do Estado é mau demais para o país para que alguma vez necessitasse de especulações sobre o sentido de voto daqueles que sempre defenderam o Estado social, bem como medidas para impulsionar a economia», acrescentou André Figueiredo.
Redação / MM