no debate, desta quarta-feira

para a 21ª hora

“[Sócrates] era dos mais atentos, dos mais intervenientes e entusiastas. [Ficou] muito satisfeito com a prestação de António Costa e [estava] sempre [a fazer] considerações. [Esteve] muito ativo, recordando os tempos em que estava nessa função de debater num plano eleitoral, e, portanto, muito feliz.”






“É curioso que [achei] que ele tivesse uma reação extremamente negativa. Mas por vezes respondia com ironia às considerações que Passos Coelho fazia sobre ele, tendo noção que a insistência [do PM] à sua figura só lhe poderia ser negativa. Por isso ao contrário do que seria expectável, no feitio muito interveniente do José Sócrates, ele até reagiu com grande ironia, com graças, e com expectativa que não fosse o caminho mais adequado para o vencimento das opiniões de Passos Coelho”.






 “A prisão é uma coisa terrível. É uma coisa que marca imenso, de grande sacrifício e de grande sofrimento, e [em casa], pelo menos, tem oportunidade de manter um convívio permanente com os seus amigos, que ele sempre cultivou sempre. (…) Isso dá-lhe um grande entusiasmo, dá-lhe um sentido positivo de encarar a vida, dá-lhe alegria. (…) Acho que está determinado, [como] sempre esteve, com uma atitude muito positiva, e isso é bom para encarar as fases subsequentes que todos esperamos que sejam positivas para ele.”