tinha beneficiado de negócios maioresTVI

amigo Carlos Santos Silva

“Falaram-me num telefonema que fiz para o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, em que lhe pedi para receber a empresa Lena. Expliquei ao senhor juiz e ao senhor procurador e disse-lhe o contexto disso: eu estava a passar férias com o meu amigo Carlos Santos Silva, como passo há 20 anos, e ele pediu-me em nome de um dos gestores do Grupo Lena se eu não podia marcar uma audiência para eles junto do vice-presidente de Angola e eu ofereci-me para isso como fiz para muitas empresas."




suspeita de corrupção



Protal proíbe construções numa linha a 500 metros



“Eu lembro-me de ter dito ao senhor procurador: ‘se essas transferências são suspeitas, você investigue-as, investigue as pessoas, agora a pergunta que o senhor faz a si próprio é esta: então onde é que entra José Sócrates nisto?’ E então vai buscar o Protal. Eu já fui ministro do ambiente e já tive responsabilidades no Ordenamento do Território, e disse ao senhor procurador: desculpe, mas a afirmação que está a fazer é uma acusação que não tem o mínimo de fundamento, porque eu fiquei convencido, aliás, que o senhor procurador não sabia o que é um Plano Regional do Ordenamento”.







“Armando Vara é meu amigo, acredito na inocência dele”


“Não, conheço outras pessoas, [mas] não sabia quem eram ao acionistas de Vale do Lobo. Armando Vara é meu amigo, acredito na inocência dele, mas nunca tive, nem tenho nada a ver, com nenhum empréstimo da Caixa Geral de Depósitos (...). Isso é apenas usar um método desleal, um método sórdido, de me quererem envolver à força seja no que for. A CGD toma as suas decisões com autonomia do Governo e sempre assim foi.”


“Acho que a atitude do MP para comigo tem sido de uma agressividade, de uma selvajaria, (…) não é o facto de não provarem, não tinham nada para me imputar”.