Dezenas de portugueses a residir no estrangeiro viram os seus votos por correspondência devolvidos por causa da indicação em português nos envelopes de "portes pagos" 

No Canadá, por exemplo, a empresa de correios que deveria fazer seguir a carta com o voto de um emigrante não reconheceu os portes pagos.

Só no Reino Unido há relatos de dezenas de casos.

A Royal Mail, ou os correios britânicos, confirmaram à Lusa o problema e dizem estar já em contacto com os CTT para resolver o mais rapidanmente possível a situação.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros diz que o problema entre os CTT e a Royal Mail já foi ultrapassado para que casos semelhantes não voltem a surgir.