O PSD registou uma subida de 1,2 pontos recuperando terreno e aproveitando uma descida de 2,4% do PS, na sondagem diária realizada pela Pitagórica para a TVI, Jornal de Noticias e TSF. A distância entre os dois principais partidos está neste momento nos 6,4%.

O PS desceu 2,4 pontos percentuais, de 37,7% para 35,3%, a maior descida desde que esta sondagem diária se realiza. Na origem desta descida poderá estar o caso de Tancos, que fragilizou o Governo nos últimos dias, depois de um ex-ministro de António Costa ter sido acusado de quatro crimes.

Em sentido contrário, o PSD registou uma nova subida, contabilizando um crescendo de 2,5% nos últimos dois dias. De domingo para segunda-feira, os sociais-democratas subiram de 27,7% para 28,9%.

Também em rota de descida está o Bloco de Esquerda, que voltou a baixar da fasquia dos 10%, pela primeira vez em sete dias. Os bloquistas reuném agora 9,1% das intenções de voto, descendo de 10,0% para 9,1%.

A CDU conseguiu a maior subida desde o início das sondagens diárias, passando de 6,3% para 7,8%.

Tanto o CDS como o PAN registaram uma ligeira subida, de 0,1%. O partido de Assunção Cristas tem agora 4,5%, enquanto o de André Silva reúne 3,2%.

Nota ainda para o Livre, que consegue o melhor resultado em 10 dias de sondagem. O partido de Rui Tavares reuniu 1,5% das intenções de voto.

Exposição mediática acompanha intenções de voto

Em sintonia com as intenções de voto, o impacto da exposição mediática dos diferentes líderes partidários acompanha, em regra geral, as tendências de subida e descida.

Ainda que com uma queda de 31% para 26,7%, a candidata do Livre pelo círculo eleitoral de Lisboa, Joacine Katar Moreira, continua a ser a figura com melhor impacto de exposição mediática. 

Rui Rio registou uma subida de 14,2% para 17,2% e continua a ser a segunda melhor figura neste parâmetro.

António Costa sofre nova queda, de 5,0% negativos para 11,1% negativos, enquanto André Silva passa de 16,1% negativos para 19,4% negativos. Jerónimo de Sousa passou de 4,5% para 2,8%, e também regista uma queda.

Os restantes líderes dos partidos com assento parlamentar subiram no impacto da exposição mediática. Catarina Martins passou de 6,0% negativos para 3,5% negativos e Assunção Cristas passou de 15,8% negativos para 14,4% negativos.

De resto, além de Joacine Katar Moreira, Rui Rio e Jerónimo de Sousa, só Carlos Pinto, da Iniciativa Liberal consegue uma avaliação positiva (10%).

Ficha Técnica da Sondagem

Durante 4 dias (26 a 29 de Setembro 2019) foram recolhidas diariamente pela Pitagórica para a TVI, o JN e a TSF uma sub-amostra de 150 entrevistas representativa do universo eleitoral português (não probabilístico)  tendo por base os critérios de género, idade e região. O resultado do apuramento dos 4 últimos dias de trabalho de campo, implica uma amostra 600 indivíduos que para um grau de confiança de 95,5% corresponde a uma margem de erro máxima de ±4,07%.  A seleção dos entrevistados foi  realizada através de geração aleatória de números de “telemóvel” mantendo a proporção dos 3 principais operadores identificados pelo relatório da ANACOM, sempre que necessário são selecionados aleatoriamente números fixos para apoiar o cumprimento do plano amostral. As entrevistas são recolhidas através de entrevista telefónica (CATI – Computer Assisted Telephone Interviewing).

O estudo tem como objetivo avaliar a opinião dos eleitores Portugueses, sobre temas relacionados com as eleições, nomeadamente os principais protagonistas, os momentos da campanha bem como a intenção de voto nos vários partidos.

A taxa de resposta foi de 60,24% ,  a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva.

A taxa de abstenção expressa na sondagem é de 4,5% a que acresce 43% que na abordagem inicial se recusaram a responder à entrevista por não pretenderem votar nesta eleição, totalizando 47,5% de abstenção.

 A Ficha técnica completa bem como todos os resultados foram disponibilizados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social que os disponibilizara oportunamente para consulta online.