Depois das declarações da noitepediu "credibilidade" ao primeiro-ministro

declaração que o vice-presidente

"Trata-se de uma questão meramente contabilística e não afeta o trajeto de Portugal na correção do défice excessivo nem exige medidas compensatórias".

"está de acordo com o que estava previsto no Programa de Estabilidade"

"Portanto, nós estamos a cumprir as nossas metas, e iremos, até ao final deste ano, atingir um défice inferior a 3%".






"Mais do que dos números, o mais importante, insisto, do que a consequência financeira é a questão da credibilidade e do relacionamento do primeiro-ministro com os portugueses"


"Primeiro, se tem ou não tem consequências na necessidade de aplicação de medidas extraordinárias; segundo:vamos ou não vamos ter consequências relativamente também ao défice de 2015? Tem ou não consequências relativamente à trajetória da dívida?"