Última actualização às 19:45

O líder parlamentar do PSD anunciou que o seu partido vai chumbar o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), apresentado pelo Governo, por uma «razão de credibilidade», por um «dever de seriedade» e por «uma exigência de futuro». Para Miguel Macedo, é necessário mudar de Executivo.

«Este Governo já não tem qualquer credibilidade. Perdeu-a, desbaratou-a, delapidou-a, por sua exclusiva responsabilidade. E quando é assim não há volta a dar. Não chega mudar de política. É preciso, também, mudar de Governo», sublinhou, argumentado que a sua credibilidade se perdeu.



Miguel Macedo disse que já a seriedade do Governo ficou em causa quando não informou o Presidente da República nem auscultou o Parlamento antes de apresentar o PEC em Bruxelas.

«Um Governo que actua assim não é sério. Não respeita nada nem ninguém. Não tem regras nem escrúpulos», afirmou, defendendo que «Portugal está precisado de um Governo sério e de um primeiro-ministro que tenha respeito pelas pessoas, pelas instituições e pelos órgãos de soberania».

Miguel Macedo salientou ainda que o chumbo do PSD ao PEC «é uma exigência de futuro», assumindo que «é preciso cortar». «Mas cortar de forma estrutural e não conjuntural», disse.

«O que nós precisamos é de mudar estruturalmente a face do Estado, tornando-o mais pequeno, menos gastador e menos consumidor de impostos», explicou Miguel Macedo, apontando: «Esta tem de ser a grande prioridade do futuro».
Hugo Beleza