O líder do PSD, Rui Rio, disse esta sexta-feira, em comentário à situação que se vive em Odemira, que se fosse primeiro-ministro, o ministro Eduardo Cabrita “não tinha condições para estar no Governo” porque tem tido um desempenho “muito fraco”.

Eu não tenho de pedir demissões de ministros porque isso é o primeiro-ministro que deve decidir. O máximo que posso dizer é que se eu estivesse no lugar de primeiro-ministro, se um ministro que se comporta desta maneira, estava ou não estava no Governo? E o ministro Eduardo Cabrita, se eu fosse primeiro-ministro, não tinha condições para estar no Governo, mas não é só exclusivamente por causa de Odemira, é por todo o seu desempenho”, referiu Rui Rio.

Em declarações aos jornalistas à margem do Conselho Estratégico Nacional (CNE) que esta tarde decorre no Porto, Rio não poupou críticas ao Governo socialista na condução do caso, lembrando que “já em 2018” o relatório anual de Segurança Interna alertava para a situação de Odemira.

O ministro [da Administração Interna] Cabrita tem um desempenho muito fraco”, referiu Rui Rio.

Além do Ministério da Administração Interna, o presidente do PSD enumerou outros Ministérios que “tinham obrigação de estar a par e a tratar do caso”, apontando o dedo ao Ministério da Justiça “porque a polícia anda a investigar”, bem como ao Ministério do Trabalho “por ter a obrigação de ir lá ver as condições, ou falta delas, em que as pessoas lá estavam a trabalhar”.

A Polícia Judiciária, segundo as notícias que vieram a público, anda a investigar há mais de dois anos. Eu pergunto: se demora dois anos a investigar o que está à vista de todos, não sei para que serve a investigação a não ser para se dizer que se está a fazer”, acrescentou.

Um total de 49 imigrantes que trabalham na agricultura no concelho de Odemira, no distrito de Beja, todos com testes negativos para o novo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, foram realojados, tendo uns sido colocados no Zmar e outros na Pousada da Juventude de Almograve, na quinta-feira de madrugada.

As freguesias de Longueira-Almograve e São Teotónio, no concelho de Odemira, estão em cerca sanitária desde a semana passada por causa da elevada incidência de covid-19 entre os imigrantes que trabalham na agricultura na região.

Na altura, o Governo determinou "a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional”, da “totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes” que compõem o complexo turístico ZMar Eco Experience, na freguesia de Longueira-Almograve, para alojar pessoas em confinamento obrigatório ou permitir o seu “isolamento profilático”.

. / HCL