Mário Soares reconheceu em Coimbra, que a manifestação realizada na capital mostra que «há um grande descontentamento» mas evidencia também que «há grandes meios para levar as pessoas a Lisboa».

«É importante, evidentemente, e mostra que há um grande descontentamento mas também mostra que há grandes meios para levar as pessoas a Lisboa. Duzentas mil pessoas não são Lisboa», comentou, em declarações aos jornalistas.

O antigo Chefe de Estado encerrou, no Arquivo da Universidade de Coimbra, o colóquio «Norton de Matos e as Eleições Presidenciais de 1949 - 60 anos depois».

Respondendo à pergunta de um jornalista, Mário Soares concordou que a manifestação deve merecer a atenção do Governo.

«Estamos a viver a maior crise mundial, nunca houve outra, nem em 1929 houve uma crise assim. Como é que poderíamos estar aqui tranquilos? É normal», comentou ainda Mário Soares.

A manifestação foi organizada pela CGTP-IN e, segundo o seu secretário-geral, Carvalho da Silva, juntou mais de 200 mil pessoas.

O colóquio sobre a candidatura de Norton de Matos foi organizado pelo Instituto de História Contemporânea e pelo Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra.

Mário Soares foi membro da comissão central dos serviços da candidatura de Norton de Matos à Presidência da República, em 1949.