O Presidente da República disse este sábado que gostava de estar errado ao ser “menos otimista” quanto à realização da Festa do “Avante!” no contexto da pandemia de covid-19, referindo que o problema é a perceção da opinião pública.

Gostaria de esperar que eu próprio não tivesse razão por ser menos otimista do que aqueles que estão muito otimistas”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, falando aos jornalistas junto ao hotel onde está hospedada a seleção portuguesa de futebol, no Porto, antes do jogo entre Portugal e Croácia, da Liga das Nações de futebol, que decorre este sábado no Estádio do Dragão.

De acordo com o Presidente da República, o problema da realização da Festa do “Avante!”, organizada pelo PCP, “não é um problema estrito, [se] está bem organizado ou mal organizado, é a perceção que a opinião pública tem em relação ao acontecimento”.

A perceção da DGS [Direção-Geral da Saúde] e do partido organizador é uma, a perceção de uma parte da população portuguesa é outra”, apontou o chefe de Estado, escusando adiantar se vai visitar a edição deste ano do evento, mas recordando que já lá esteve “várias vezes” em anos anteriores.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, desafiou este sábado o Presidente da República a visitar a 44.ª Festa do “Avante!” e “ver para crer”, em vez de “dar uma mãozinha” ao PSD no rol de críticas ao evento devido à pandemia de covid-19.

Em resposta, Marcelo Rebelo de Sousa destacou o contacto que teve com os dirigentes do partido organizador, referindo que lhe foi apresentando o plano de contingência.

“Apresentaram-me o plano de contingência todo, eu sei-o da frente para trás, de trás para a frente”, reforçou o Presidente da República.

Na sexta-feira, o Presidente da República confessou-se “menos otimista” do que a DGS e do que o PCP quanto à realização do evento, acrescentando tratar-se de um problema de “avaliação política”.

Este ano, o evento comunista, que começou na sexta-feira e termina no domingo, no Seixal, distrito de Setúbal, tem estado debaixo de polémica devido ao contexto pandémico de covid-19, com críticas de vários partidos políticos mais à direita, entre outras personalidades.

As autoridades sanitárias limitaram mesmo a lotação máxima do recinto a cerca de 16.500 pessoas em simultâneo, entre hoje e domingo, e obrigaram a plateias sentadas nos espetáculos, se consumo de bebidas alcoólicas.

/ SS