O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, destacou hoje a "segurança" e a "confiança" das pessoas na Madeira face às medidas de desconfinamento da Covid-19 e revelou que vai passar uns dias de férias no arquipélago em agosto.

A segurança ótima. A segurança, a confiança, o à vontade das pessoas. Foi espetacular", disse Marcelo Rebelo de Sousa, referindo-se a um passeio que deu na baixa do Funchal, no sábado à noite, após o jantar, na sequência da visita de menos de 24 horas que está a efetuar à região autónoma.

O chefe de Estado visitou, hoje de manhã, o Centro de Saúde do Bom Jesus, onde está instalada a Unidade de Saúde Pública do Funchal, responsável pela coordenação da atividade operacional da região, depois de ter assistido a uma missa na igreja do Colégio, no centro da capital madeirense.

"Eu achei a Madeira com uma atividade económica à noite impressionante", disse. E reforçou: "Nós andamos aí uns quatro ou cinco quilómetros e sistematicamente havia, não apenas juventude, mas gente de todas as idades e muito turista, muito, muito turista. Isso é muito promissor."

Marcelo Rebelo de Sousa revelou também que vai regressar ao arquipélago em férias no princípio de agosto, apontado para uma estada de dois dias na Madeira e outros dois no Porto Santo.

A Região Autónoma da Madeira teve até agora 93 casos confirmados de covid-19, dos quais apenas três estão ativos, e não registou até hoje qualquer óbito devido à pandemia do novo coronavírus.

O Presidente da República disse ter constatado que há uma "ideia" económica, financeira e social na Madeira, além da gestão da pandemia de Covid-19, sublinhando o sucesso das medidas de contenção da doença.

Parto com o estado de espírito de que eu pude ver no terreno que a forma como foi enfrentado o processo pandémico justifica os resultados obtidos", afirmou o chefe de Estado, em Câmara de Lobos, onde se deslocou no âmbito de uma visita de menos de 24 horas à região autónoma.

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou o desempenho da população durante esse período e disse que será "portador" de tudo o que testemunhou no terreno, vincando que o papel do Presidente da República é o de ter um "exercício de funções" que permita "potenciar o diálogo e as pontes", bem como a "compreensão daquilo que, por vezes, a distância torna menos compreensível".

O chefe de Estado falava numa receção na Câmara Municipal de Câmara de Lobos, após a intervenção do presidente do governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, que criticou a falta de solidariedade do Governo da República desde o início da crise pandémica e solicitou que Marcelo Rebelo de Sousa seja o interlocutor da região junto das instâncias nacionais.

O governo da Região Autónoma da Madeira precisa de um interlocutor junto do Estado e esse interlocutor tem de ser vossa excelência", disse.

/ AG