O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, visita este domingo Câmara de Lobos, dois meses após o levantamento da cerca sanitária, instalada entre 19 de abril e 3 de maio, devido a uma cadeia de transmissão de Covid-19.

O chefe de Estado chegou à Madeira no final da tarde de sábado, para uma visita de menos de 24 horas, da qual constam também deslocações ao Centro de Saúde do Bom Jesus, às 11.00, e à Unidade de Internamento Polivalente/Unidade de Cuidados Intensivos dedicada à Covid-19, no Hospital Central do Funchal, às 11:30.

No Aeroporto Internacional Cristiano Ronaldo, o Presidente da República sublinhou que a resposta das autoridades regionais à pandemia correu "muito bem", explicando que só não se deslocou mais cedo à ilha porque teria de cumprir quarentena obrigatória, que vigorou até 30 de junho, situação que não era compatível com as suas funções de Chefe de Estado.

A viagem visa estar aqui num momento, que é particularmente importante, na vida da Região Autónoma da Madeira e, portanto, de Portugal, porque é, de alguma maneira, o coroar de um processo", disse, reforçando que "quando se fala em segurança, confiança, presente e futuro, a Madeira é um exemplo que é óbvio, é evidente".

Marcelo Rebelo de Sousa será recebido às 12:30 na Câmara Municipal de Câmara de Lobos e almoça depois num restaurante daquela cidade, na zona oeste da ilha da Madeira.

Devido ao surgimento de uma cadeia de transmissão da Covid-19 num dos bairros sociais de Câmara de Lobos, o da Nova Cidade, alegadamente na sequência de um convívio familiar na altura da Páscoa, o executivo madeirense decretou em 19 de abril uma cerca sanitária para a freguesia, por um período de 15 dias, a única adotada no arquipélago.

A cerca sanitária foi levantada a partir das 00:00 do dia 03 de maio, uma vez que a localidade, com cerca de 18 mil habitantes, não registava novos casos positivos de infeção.

A situação levou ao confinamento de 22 pessoas desta cadeia de transmissão numa unidade hoteleira na zona do Cabo Girão, foram identificados mais de 200 contactos e realizados mais de 500 testes.

Marcelo Rebelo de Sousa realiza a deslocação à freguesia de Câmara de Lobos, no concelho com o mesmo nome, tal como o fez a Ovar, no distrito de Aveiro, e ao concelho da Povoação, nos Açores, que também estiveram sob cercas sanitárias.

Às 15:00, Marcelo Rebelo de Sousa regressa ao Funchal para um encontro com os responsáveis das instituições particulares de solidariedade social da região autónoma, na Quinta Magnólia.

O Presidente da República segue depois para o Aeroporto Internacional da Madeira, onde visita, às 17:30, a Unidade de Rastreio e Vigilância à Covid-19, que entrou em funcionamento em 1 de julho, com a reabertura do arquipélago ao turismo.

A operação de rastreio de viajantes nos aeroportos da Madeira e Porto Santo foi montada na sequência de uma resolução do Governo regional, de coligação PSD/CDS-PP, que impõe a obrigatoriedade de os passageiros apresentarem um teste negativo realizado até 72 horas antes do início da viagem, ou, então, a efetuá-lo à chegada.

Desde 01 de julho, já foram efetuados 1.668 testes nos aeroportos do arquipélago, um dos quais, realizado hoje, foi positivo, elevando para três o número de casos ativos, todos sem necessidade de cuidados hospitalares.

A Região Autónoma da Madeira teve até agora 93 casos confirmados de Covid-19 e não registou até ao momento qualquer óbito devido à pandemia do novo coronavírus.

/ AG