"O PSD e o CDS querem, na presidência da República, boa parte do poder que agora perderam. É como se o povo tivesse em mão duas chaves: uma chave abriu, a 04 de outubro, uma janela de esperança, um tempo de um tempo novo", disse Edgar Silva, realçando que o eleitorado não pode permitir que essa "janela de confiança num outro rumo para Portugal" se feche agora nas eleições presidenciais.






"Mas nós queremos perguntar como é que é possível ser politicamente imparcial, quando se está do lado dos grandes banqueiros, quando se está com o grande capital, quando se está ao serviço das grandes negociatas em Portugal?", avançou.