O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reiterou este sábado, em Fátima, que só se pronunciará sobre a eutanásia no fim dos trabalhos parlamentares, dizendo para se esperar “serenamente”.

Ao ser confrontado com as declarações de sábado do vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), bispo António Marto, que pediu um “debate “sereno, sério, esclarecido e esclarecedor, aprofundado e humanizador” sobre a eutanásia, Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que promoveu “uma série de iniciativas do Conselho Nacional de Ética que levaram a debates por todo o país”.

Agora, neste momento, é o tempo de o parlamento se pronunciar, o parlamento irá pronunciar-se no dia 29 na generalidade e, depois, haverá, naturalmente, o processo próprio e eu esperarei. Quando me chegar às mãos qualquer diploma para eventual promulgação – veremos se chega ou não - eu aí pronunciar-me-ei”, declarou o chefe de Estado, após ter participado no sábado na procissão das velas e missa da peregrinação internacional de maio ao Santuário de Fátima.

À pergunta se considera que a sociedade portuguesa já fez o debate pedido pela Igreja Católica, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: “Porque estamos ainda num momento em que ocorre a discussão parlamentar – e vai ocorrer - como sabem no parlamento é uma discussão que envolve primeiro a generalidade, depois a especialidade e, se for caso disso, uma votação final global, vamos esperar serenamente”.