O Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta quarta-feira que António Guterres, como novo secretário-geral das Nações Unidas, "poderá ter um papel importante no quadro da crise síria, encaminhando uma solução" para o conflito.

Marcelo Rebelo de Sousa falava em declarações aos jornalistas, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, em Lisboa, no final de um encontro com o Presidente da República Checa, Milos Zeman, que iniciou esta quarta-feira uma visita de Estado a Portugal.

Questionado sobre a guerra na Síria, e em particular na cidade de Alepo, o chefe de Estado português afirmou: "Acredito que o novo secretário-geral [das Nações Unidas], António Guterres, poderá ter um papel importante no quadro da crise síria, encaminhando uma solução que todos desejam que seja uma solução que impeça a perpetuação de um conflito".

Com Milos Zeman ao seu lado, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que o conflito na Síria "é um conflito sem saída, e que é doloroso em primeira linha para o povo sírio, mas é doloroso para toda a região e doloroso para o mundo".

Sobre o ponto de situação da guerra na Síria, o Presidente da República referiu que "Portugal tem acompanhado a posição que decorre de ser membro da União Europeia e da Aliança Atlântica", e escusou-se a desenvolver mais este tema.

Redação / AR