O Presidente da República revelou hoje que os 16 pacientes infetados com coronavírus que se encontram internados no Hospital de São João, no Porto, estão com o “moral positivo”, sublinhando uma “evolução positiva” destes pacientes.

Tive a oportunidade de ver, porque se vê pelo vidro aqui [no Hospital de São João], em Lisboa vê-se através de uma câmara. Aqui vê-se pelo vidro e fala-se com as pessoas, dá para ouvir os 16 internados, e o que eu posso dizer é que, de facto, todos eles com moral positivo, vários deles mantiveram o diálogo comigo e, não fora o risco de contaminação, estariam teoricamente em condições, alguns deles, de poderem ir para casa para a sua atividade normal. Mas esse risco é tão importante que justifica que lá fiquem”, disse o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à chegada ao Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, para a comemoração do centenário deste espaço cultural.

O chefe de Estado visitou hoje o Hospital de São João, onde encontrou, “quer no caso dos homens, quer no caso das mulheres, que são muito menos, uma evolução positiva, psicologicamente positiva e fisicamente positiva”.

Durante a visita, o Presidente da República teve a oportunidade de constatar os preparativos para a instalação de um hospital de campanha naquela unidade hospitalar.

“Pude verificar no Hospital de São João a preparação da instalação do hospital de campanha, para evitar o contacto de quem tem de fazer as análises com a população normal, que passa por um hospital e que são muitos, eu vi hoje, entrei pelas urgências”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, aos jornalistas.

No Porto, onde foram detetados os primeiros casos de infeção pelo Covid-19, o Centro Hospitalar de São João, anunciou a instalação de um hospital de campanha “para responder em exclusividade ao Covid-19”, doença causada pelo novo coronavírus, sem adiantar quando entrará em funcionamento e a capacidade do mesmo.

Também hoje, o Governo anunciou o encerramento de algumas escolas e instituições devido ao surto de coronavírus, tendo suspendido visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais no Norte do país.

A ministra da Saúde, Marta Temido, recomendou ainda o adiamento de eventos sociais. A duração do encerramento vai ser avaliada "caso a caso", informou.

Entre os estabelecimentos de ensino a encerrar encontram-se a Escola Básica e Secundária de Idães, em Felgueiras, a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, também da Universidade do Porto, e o edifício do curso de História da Universidade do Minho.

O número de casos confirmados do novo coronavírus em Portugal subiu hoje para 21. Os três novos casos surgiram no Porto. No total há 16 pacientes no infetados no Porto e cinco em Lisboa.

A região Norte é a que regista mais casos confirmados de infeção, com 15, seguindo-se a Grande Lisboa, com cinco, e um no Centro do país.

As autoridades de saúde têm 412 pessoas em vigilância por contactos com infetados.

/ BC