O Presidente da República afirmou hoje, durante uma conversa com jovens artistas angolanos, que existe uma ideia errada em meios portugueses de que ele pensa em tudo antes de fazer e que nada lhe acontece exigindo improviso.

Tenho a fama de que muita coisa do que me acontece nada teve de improviso. Acham que tudo foi antes pensado”, lamentou Marcelo Rebelo de Sousa a meio de uma amena conversa com o artista Binelde Hyrcan e seus amigos na ilha de Luanda.

Com apenas três jornalistas a gravarem as suas palavras dessa longa conversa, o chefe de Estado falou então do caso que teve no ano verão passado, no Algarve, quando socorreu duas jovens no mar, depois de o kayak ter virado.

Nesse dia, na praia, fiz declarações à comunicação social. Pensava que já estava tudo despachado. Fui dar um mergulho, o meu primeiro mergulho. E aconteceu aquilo”, contou o Presidente da República, que se lançou ao mar para ajudar a salvar as jovens.

“Percebi que estava mesmo em dificuldade”, acrescentou, justificando a sua ação no mar do Algarve, que teve depois um elevado impacto mediático.

Marcelo Rebelo de Sousa deixou então a pergunta: “Vou convencer alguém que aquilo não foi montado?”

Binelde Hyrcan acenou com a cabeça em sinal de concordância e disse que o Presidente da República português, pela forma como se relaciona com as pessoas comuns, “é uma lição para todos os políticos no continente africano”.

“Vê-se que gosta de falar e de ouvir os jovens”, comentou. Marcelo responder-lhe logo: “Com a minha idade, já não vou mudar”.

“E não se envelhece contactando com gente nova. Por isso, sempre gostei de ser professor”, declarou.

/ HCL