O Presidente da República congratulou, este domingo, o Serviço Nacional de Saúde pelos 40 anos numa nota publicada no site da Presidência da República. Marcelo disse que o Serviço Nacional de Saúde, que representa uma das conquistas do 25 de Abril, “merece constante aposta em objetivos, orgânicas e meios de atuação”.

Na mensagem, Marcelo Rebelo de Sousa saúda os 40 anos do Serviço Nacional de Saúde considerando representar “uma das inegáveis conquistas do 25 de Abril de 1974 e da Democracia Portuguesa” que justifica a celebração, mas, não menos do que isso, merece “constante aposta em objetivos, orgânicas e meios de atuação”.

O Presidente da República, que, como deputado constituinte, votou a nossa Lei Fundamental, recorda ainda “o que ela representou de desenvolvimento humano e justiça social e sublinha a sua importância presente e futura, como peça-chave no sistema global de saúde e também como denominador entre os Portugueses, para além de divergências doutrinárias, ideológicas e partidárias”.

Quanto ao Serviço Nacional de Saúde, assim como quanto a outras relevantes matérias de regime, o que une os Portugueses é muito mais do que aquilo que os divide”, disse, adiantando que “o princípio e o fim do Serviço Nacional de Saúde são os portugueses”.

A Lei n.º 56/79, que criou o SNS, foi publicada em Diário da República em 15 de setembro de 1979, concretizando o direito à proteção da saúde, a prestação de cuidados globais de saúde e o acesso a todos os cidadãos, independentemente da sua condição económica e social.

António Costa evoca memória de Soares e Arnaut, "pai e mãe" do SNS

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou que hoje é “um dia muito especial” e evocou a memória de Mário Soares e António Arnaut, “o pai e a mãe do Serviço Nacional de Saúde”, nascido há 40 anos.

Hoje é um dia muito especial porque faz hoje 40 anos que nasceu o Serviço Nacional de Saúde [SNS] e essa é uma conquista que honra profundamente a história do PS e aqueles que já governaram em nosso nome e que, infelizmente, já nos deixaram”, afirmou o líder socialista.

Num almoço comício em Évora, António Costa centrou o seu discurso na Saúde e frisou que, “nestes 40 anos, não é possível deixar de evocar a memória de Mário Soares e de António Arnaut, que foram o pai e a mãe do SNS”.

Considerando que o SNS foi “a maior conquista dos portugueses no pós-25 de abril”, o líder do PS afirmou também, perante os militantes e simpatizantes do partido que encheram o Monte Alentejano, na cidade de Évora, que “a maior vitória do SNS é hoje ser consensual em toda a sociedade portuguesa”.

Foi seguramente o avanço mais importante no Estado social, na proteção e na garantia de cuidados de Saúde a todas e a todos os portugueses”, afirmou, lembrando, contudo, que “não foi assim”, há 40 anos: “Houve aqueles que estiveram contra o SNS, houve aqueles que estiveram a favor e houve, sobretudo, o PS, que fez e criou o SNS”.