O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou, nesta quarta-feira, a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Cristiano Ronaldo, considerando que, "por uma vez, não pensou mal".

O melhor jogador do mundo foi também exemplo para Marcelo que, em conferência de imprensa após um almoço com o primeiro-ministro luxemburguês, disse que a saída de Portugal do Procedimento de Défice Excessivo "é comparável ao mérito de Cristiano Ronaldo".

"Já tive ocasião de felicitar todos os portugueses pela saída do Procedimento por Défice Excessivo, pela consistência, pelo trabalho. Se o resultado é comparável ao mérito de Ronaldo, sim", afirmou o Presidente português.

Ninguém consegue ser tantas vezes campeão da europa ou do mundo sem consistência, sem trabalho e capacidade de visão do que é essencial", acrescentou.

De acordo com a newsletter da versão europeia do jornal norte-americano Politico, o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, terá comparado o ministro das Finanças português, Mário Centeno, ao jogador de futebol Cristiano Ronaldo, na última reunião do Ecofin, na quinta-feira.

Por seu lado, o primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel, disse que a substituição do atual presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijesselbloem, "não se coloca por enquanto" porque o Governo holandês não mudou, escusando-se assim a responder se estaria disponível para apoiar o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo.

Bettel considerou que foi todo um país que fez um esforço para estes resultados, "não é graças a um ministro ou a um Governo".

Sobre a comparação de Centeno a Ronaldo, disse que Ronaldo foi bola de ouro, mas espera que Centeno "jogue de maneira mais refletida com os números" do que com uma bola "que tanto pode cair para a direita como para a esquerda".

Na conferência de imprensa, Marcelo Rebelo de Sousa destacou, ainda, a visão comum que Portugal e o Luxemburgo têm sobre a União Europeia, mas ressalvou que "não há dados adquiridos, é preciso lutar todos os dias".

"É preciso reforçar a Europa todos os dias, é preciso refazê-la a 27. Espera-se uma Europa mais ativa", com criação de emprego, crescimento económico, diplomacia, segurança, negociações comuns com o Reino Unido e relações transatlânticas, disse.

Por seu lado, o primeiro-ministro luxemburguês elogiou Portugal por ter abandonado o Procedimento por Défice Excessivo, acrescentando que os portugueses podem ter um papel de destaque na Europa porque são "perseverantes e trabalhadores".

Sobre os portugueses que vivem no Luxemburgo, cerca de 100 mil, considerou que são "parte da família".

"Têm coração português, mas estão bem integrados e permitiram a construção do nosso país", disse.

O Presidente português termina hoje uma visita de Estado ao Luxemburgo, mas a deslocação continua na quinta-feira a título privado para participar na 50.ª peregrinação a Nossa Senhora de Fátima, em Wiltz, a cerca de 65 quilómetros da capital luxemburguesa, e para contactos com a comunidade portuguesa.