O debate deste sábado que juntou Marcelo Rebelo de Sousa e Marisa Matias num frente a frente ficou marcado por uma série de elogios, sobretudo por parte do Presidente da República.

No entanto, entre a cordialidade, houve um tema em que Marcelo se mostrou um pouco irritado: o caso do ucraniano morto às mãos de inspetores do SEF.

Marcelo Rebelo de Sousa quebrou o tom cordial e interrompeu a candidata, quando esta considerou o caso SEF como um dos momentos mais baixos do Presidente.

Numa situação tão grave como esta, que é um cidadão morrer às mãos do Estado português, não era justificável o silêncio", começava por referir Marisa Matias.

"Que não houve", retorquiu imediatamente Marcelo, prosseguindo: "Eu falei nisso logo no começo, em abril".

Marisa Matias tentou continuar com a justificação, apontando que o contacto com a família era fundamental, mas o Presidente candidato fez-se ouvir: "Isso de facto foi uma opção do Estado".

Admito que seja criticável, mas foi uma opção que eu tomei achar que não devia ser o Presidente da República a substituir-se ao SEF e a toda a hierarquia do Estado nesse contacto. Mas enfim", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Rafaela Laja