O chefe de Estado defendeu hoje que o segredo da presidência portuguesa do Conselho da UE tem sido a “procura da estabilidade” e a “coabitação política entre o Presidente da República, o Governo e o parlamento”.

O segredo desta presidência tem sido a procura da estabilidade, a procura da unidade no poder político, a coabitação política entre o Presidente da República, o Governo e o Parlamento, a capacidade de colocar a União Europeia (UE), a unidade política perante as questões europeias, acima de divergências pessoais ou partidárias”, sublinhou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa falava em conferência de imprensa conjunta com o Presidente esloveno, Borut Pahor, e alemão, Frank-Walter Steinmeier, após um encontro que durou cerca de 30 minutos entre os três e que precedeu um jantar de trabalho, no castelo de Brdo, a cerca de 30 quilómetros de Ljubljana, no âmbito do trio das presidências do Conselho da União Europeia (UE), de que faz parte a Alemanha, Portugal e a Eslovénia.

Elencando “a rapidez na elaboração do Plano Nacional de Recuperação e Resiliência, a atenção à transição climática, energética e digital, à qualificação e formação dos mais jovens, e à discriminação no papel da mulher”, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que se trata de “desafios do futuro, desafios da unidade europeia, feitos numa visão de estabilidade, de unidade de ação, e de colocação do que é fundamental acima do que é acessório”.

Tem sido assim a presidência portuguesa da UE, durante uma pandemia muito difícil, para além da pandemia, herdando da notável presidência alemã um conjunto de caminhos a prosseguir, e deixando, dentro de um mês, à presidência eslovena, que terá de ser uma notável presidência - será certamente uma notável presidência -, uma herança de caminhos fundamentais para a Europa, para os europeus, e para o mundo”, sublinhou.

Com o encontro com os seus homólogos esloveno e alemão, Marcelo Rebelo de Sousa deu início à sua visita de três dias à Eslovénia e é o primeiro Presidente da República a visitar o país desde Jorge Sampaio, em abril de 1999.

Inicialmente prevista para 2020, a visita foi adiada para este ano devido à pandemia de covid-19, sendo os principais temas da deslocação a relação entre os dois países e a presidência do Conselho da União Europeia (UE), tendo em conta que a Eslovénia irá suceder a Portugal em julho.

Ainda hoje, Marcelo Rebelo de Sousa irá receber, por volta das 20:00 (19:00 de Lisboa) três representantes da comunidade portuguesa na Eslovénia, no Grand Union Hotel, onde se encontra hospedado.

/ JGR