O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta terça-feira que seria justo que as agências de "rating" revissem até setembro a avaliação de Portugal, sublinhando que isso “vai reforçar a confiança dos investidores na economia”.

Vamos ver se isso ocorre a partir de setembro. Se a evolução continuar a ser aquela que tem sido - estamos agora no principio de junho -, até setembro parece justo, parece justo haver aquilo que vai reforçar a confiança dos investidores na economia", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas depois de visitar o Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva, no Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Esta terça-feira de manhã, o comissário europeu dos Assuntos Económicos considerou que o desempenho económico de Portugal, que já resultou na saída do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), merece também uma avaliação mais positiva por parte das agências de notação financeira.

Pierre Moscovici reforçou que a saída de Portugal do PDE, decidida na semana passada pelo executivo comunitário, “recompensa os esforços importantes feitos por Portugal”, e observou que, embora não tenham alterado a nota à dívida de longo prazo do país (que permanece em ‘não investimento’, ou ‘lixo’), as agências de ‘rating’ constataram “uma orientação positiva”.

Posteriormente, também o primeiro-ministro, António Costa defendeu que faz "pouco sentido" que as agências de "rating" mantenham a notação de Portugal "como se nada tivesse acontecido desde 2011" na situação económica e financeira do país.

Confrontado com estas declarações, o chefe de Estado sublinhou que já na segunda-feira, nas Conferências do Estoril, ouviu defender essa possibilidade.

Ainda ontem [segunda-feira] estive nas conferências do Estoril, estavam lá responsáveis financeiros europeus e todos eles elogiavam a evolução económica portuguesa. E vários deles diziam - para não dizer todos - que esperavam que isso viesse a ser reconhecido pelas agências de "rating", em particular por aquelas que tem a notação maios baixa", acrescentou.

Taxa de desemprego nos 9,8% em abril "ultrapassou o esperado"

O Presidente da República afirmou também esta terça-feira que a taxa de desemprego de 9,8% estimada para abril ultrapassou as expetativas, fazendo votos para que continue o momento “que parece francamente bom da economia”.

Tenho de admitir, embora continuando com os pés bem assentes na terra, que os números ultrapassam novamente o que era esperado. Esperava para mais tarde esta descida, mas já ocorreu em abril e, pelos vistos, está consolidada. Eu esperaria mais para o fim do ano”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

De acordo com a estimativa provisória divulgada esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa de desemprego em Portugal manteve-se nos 9,8% em abril, inalterada face ao valor registado em março.

“Aquilo que podemos desejar é que este momento, que parece francamente bom na economia portuguesa, continue, em termos de investimento, exportações, crescimento e emprego", acrescentou o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas no final de uma visita ao Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Antes de terminar a visita àquela unidade no Hospital Garcia de Orta, que se dedica ao acompanhamento de crianças com problemas de desenvolvimento, o Presidente da República ainda proporcionou uma viagem de ‘limousine’ a um jovem de 13 anos, João Ribeiro, com um grave de problema de saúde de origem genética.

Um sonho cumprido com o patrocínio do Presidente da República, a título pessoal, que ainda fez questão de o acompanhar o pequeno João Ribeiro durante o início do percurso.